Quem mexeu no meu calendário ?

Como a racionalidade humana pode parecer ilógica.

Sabe-se bem quantos dias tem um determinado ano. Do ponto de vista estrictamente cientifico e fenomenológico o periodo de um ano é o intervalo de tempo  entre duas passagens consecutivas do sol por um determinado ponto pre-defenido da sua órbita aparente. Como o Sol no seu moviemento de revolução aparente em torno da Terra , transcreve uma órbita eliptica, esta é, logo, fechada e periodica.

Este tempo iguala 365.26 dias ( despresando termos de ordem inferior a 0.01) Mas como os humanos nunca se deram bem a tratar de numeros não inteiros achou-se por bem tornar o ano um periodo inteiro de dias ( assim como o mesmo se fez para as horas , pois o periodo de rotação também não é de 24h certas) Assim o ano passou a ter 365 dias exactos e a chamar-se ano civil , pelo facto de ser adequado às contas temporais das pessoas no dia a dia.

Mas para manter uma relação com o tempo verdadeiro da viajem da terra em torno do sol ou o que vai dar ao mesmo ; e naquela época era assim que se considerava ; do sol em torno da terra – achou-se também por bem de 4 em 4 anos civis o ano conter um ano suplementar. Desta forma 0.26 x 4=1.04 onde 0.04 se despresou completamente. Isto explica porquê os anos não são todos iguais. Mas imagine-se a si a fazer todas estas contas à um bom tempo atraz. Onde acrescentaria esse dia ?

Temos 3 hipoteses. No inicio do ano , no meio do ano ou no fim do ano. É nesta altura sensato relembrar que antigamente  o que dava de comer às gentes era a agricultura e toda a sua vida se baseava na fertalização, sementeira , crescimemto e recolha dos produtos. Ora , onde colocariamos esse dia a mais ? Seria um dia para nos divertirmos ou para trabalharmos ? Suponho que um dia de 4 em 4 anos seria suficientemente invulgar para ser de festa. Aceitando isto, se você vivesse no hemisfério norte naquele tempo onde colocaria esse dia  suplememtar?  Provávelmente seria colocado no inicio da primavera ou pelo menos quando o tempo fosse o suficientemente bom para festejar. Mas porquê não no verão ? Bom no verão faz mais calor , e se o frio a mais não é bom para festejar o calor de mais também não é. Portanto seria colocado no inico da primavera. Mas em relação ao ano  seria onde ?

Segundo o calendário de hoje seria no inico , bom mais ou menos , fim do 1º trimestre.E naquela altura ? Faria sentido colocar um dia destes no interior do ano , quebrando o ritmo para “festejar” um dia suplementar ? Acho que não, ainda para mais conhecendo o rigor com que estas coisas do cultivo era seguido. Este aspecto remete-nos para uma descrepância entre o calendário actual e o que parece ter tido lugar antes. Mas não é o unico.

Os dias do mês de fevereiro são ondulantes , ou seja , são 28 ou 29 conforme o ano. Porquê colocar este mês como segundo mês ? Era muito mais logico colocá-lo no fim , ou no inicio. Ainda para mais não é um mês que respeita a regra do 31-30. Supondo que o dia é acrescentado , parece evidente que seria acrescentado no fim dos 28 dias normais. Ou seja Fevereiro ao ser variável por exesso não faria sentido colocá-lo no inicio do ano, mas sim no fim do ano , onde se pode acrescentar. Acrescentar implica , que me lembre , sempre , fazê-lo no fim. Ora sendo assim como é que temos fevereiro como 2º mês do nosso ano ?

Além disso temos mais., existem 2 meses consecutivos com 31 dias; Julho e Agosto. Mas estes meses são consecutivamente o mês 7 e 8 dos 12 do ano. Ora se o ano tem 12 meses e se temos 2 iguais consecutivos não seria mais logico colocá-los como os meses 5 e 6, ou seja, no meio do ano? Uma ultima curiosidade. Os prefixos devem servir para alguma coisa ou não os usariamos , certo ? Supondo que isto é verdade e atendendo aos prefixos comuns como , bi , di ,tri ,hexa , sept , oct , nov, dex reparamos que temos meses que têm estes prefixos :  Se(p)tembro , Ou(c)tubro ,Novembro, Dezembro. Parece então que estes meses deveriam ser os meses 7 ,8 ,9 e 10  e não os 9,10,11 e 12. Em todas esta questões deparamos com sempre 2 meses de diferença ou seja Fevereiro é o 2º em vez do ultimo ( 12=0 ) , julho e agosto são so 7 , 8 em vez de 5 e 6 e por fim os ultimos meses do ano. Como explicar isto ?

A resposta é muito simples. Antes o ano começava, no Equinócio da primavera , o tempo era contado pelas colheitas ( por ciclos de rotação das colheitas , se quiser). Ora o Equinocio de primavera dá-se em Março , 21 de Março. Se fizermos Março como o mês 1 então fevereiro seria o mês 12 ( sendo agora compreensivel ) , julho seria o mês 5 e agosto o mes 6 , sendo também agora possivel estabelecer a relação entre os prefixos e os meses. Se(p)tembro =7 , Ou(c)tubro=8 ,Novembro =9 e Dezembro =10. Esta simples hipotese parece arrumar tudo nos sitios certos. Então porquê a descrepância com o calendário actual ?

Quando se soube que existia uma ordem no movimento aparente de revolução do sol, soube-se que era por esta orbita ser uma elipse e logo se soube também que a Terra estaria num desses focos ( lembre-se que analizamos o movimento do sol , embora aparente , era o usado pelos antigos agricultores. do ponto de vista da seguinte discusão é irrelevante esse promenor , “que o quê gira sobre o quê” ) Assim haveria uma altura em que a distancia Terra-Sol fosse minima ( perigeu) e outra em que fosse máxima (apogeu). Como o Homem sempre gostou do minimo então decidiu-se que o ano seria contado a partir do perigeu e não do equinócio. Esta convenção faz o ano civil começar a 1 de janeiro e não a 21 de março. [ nota: estes dias são assim contados segundo o calendário actual , na realidade os proprios numeros dos dias seriam “renomeados” de 1 de Março para 21 de Março e X de janeiro( 285 dias depois de dia 21 de março ) para 1 de janeiro. ]

Conclusão , foi a mente humana e a sua procura/gosto pela ordem que fez o calendário ser tão anti-natural como o que temos hoje. Compare-se com o antigo e repare-se que o antigo também era ordenado , e bem ordenado. Mais do que ordenado era natural. Correspondia com o calendário de trabalho da maioria das pessoas.   Os meses eram de 31 ou 30 dias com o ultimo mes a variar entre 28 e 29. Os meses do meio tinham os mesmos dias e o ano seguia o ciclo das estações. O de hoje em dia não tem nada disto mas está de acordo com a consideração astronómica do perigeu. Este é o preço do Raciocinio. Se por um lado deixa de ser natural e ter a ver com as nossas vidas, por outro é regido pela ordem que se pode provar e contar e refazer as vezes que forem necessárias.

Anúncios

8 opiniões sobre “Quem mexeu no meu calendário ?”

  1. “Do ponto de vista estrictamente cientifico e fenomenológico o periodo de um ano é o intervalo de tempo entre duas passagens consecutivas do sol por um determinado ponto pre-defenido da sua órbita aparente. Como o Sol no seu moviemento de revolução aparente em torno da Terra , transcreve uma órbita eliptica, esta é, logo, fechada e periodica.”

    Meu Deus, quanta bobagem… Desde quando o Sol gira em torno da Terra???

    Ano é o intervalo de tempo que a Terra demora para dar uma volta completa em torno do Sol. Veja qualquer enciclopédia caso tenha dúvidas quanto a isso.

    1. Primeiro, Carlos, aprenda a ler. Está escrito “movimento aparente do Sol”. Depois, aprenda física para entender o que é um sistema referêncial e o que significa falarmos no movimento aparente (uma dica aqui). Depois você entende que quem está falado bobagem é você.
      Num sistema referencial de dois corpos nenhum dos corpos é melhor que o outro para descrever o movimento.
      Contudo, para o propósito de definir calendários e o conceito de “dia” o movimento aparente do Sol no céu é muito mais útil escolhermos a terra como centro do movimento porque além de ser o ponto de referência do observador ainda temos que contar com a latitude se quisermos um modelo mais fidedigno.

      Muito facil lançar pedras quando não se sabe do que se fala…

      1. “Alguns ensinam. Alguns fazem. O resto procura nos livros.”

        O que você quer dizer com isso? Por acaso você é mestre em física? É professor?

      2. Algumas pessoas sabem e ensinam, outras sabem e fazem. O resto procura nos livros… e porque procura nos livros ? Porque não sabe.

        A frase é tradução de “Some do. Some teach. The rest, look it up.”

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s